AngularJS: Definindo rotas com com ngRoute e UI-Router

Colabore com o Blog!

Olá, para ajudar a melhorar o blog, eu criei um pequeno questionário que você pode responder menos de 2 minutos.

Participe e ajude a fazer o blog ainda melhor! Saiba mais

SPA’s (Single page applications) estão cada dia mais popular. Aplicações inteiras baseadas em single pages utilizando comportamentos e navegando entre views de uma forma dinâmica e rapida. Angular nos ajuda a criar aplicações desse porte facilmente.

Trabalhando com SPA’s a algum tempo, normalmente nos deparamos com rotas e views em nossa aplicação como home, sobre e contato. Isso é muito normal entre SPA’s e com nossa aplicação ira crescer e nós precisamos gerenciar de alguma forma, como apresentar diferentes views para o usuário através de nossa aplicação.

Com Angular podemos avançar muito mais que isso, mas esse não é o contexto desse post, vamos estudar alguns dos conceitos que são necessários para desenvolver grandes aplicações utilizando o melhor do framework.

Vamos aos objetivos desse tutorial (ou ao menos o que vou tentar exemplificar):

  • Criar uma estrutura básica para nossa SPA;
  • Navegar entre views utilizando a diretiva ng-view e o módulo ngRoute;
  • Diferentes tipos de informações para cada página;
  • Diferenças entre ngRoute e UI-Router.

A primeira coisa que devemos fazer é definir nossa estrutura de arquivos e carregar a view padrão da nossa aplicação.

Estrutura de arquivos

- script.js          // Onde sera armazenado nossa aplicação
- index.html         // Layout principal
- pages              // Onde ficará localizado nossas páginas
----- home.html
----- about.html
----- contact.html

Criando nosso HTML

Em nosso arquivo index.html, vou utilizar o Bootstrap apenas para termos uma cara mais amigável:

<!DOCTYPE html>
<html lang="en" ng-app="myapp">
<head>
  <meta charset="UTF-8">
  <title>ngRoute</title>
  <link rel="stylesheet" href="https://maxcdn.bootstrapcdn.com/bootstrap/3.3.5/css/bootstrap.min.css">
  <script src="https://ajax.googleapis.com/ajax/libs/angularjs/1.4.5/angular.min.js"></script>
</head>
<body>
  <nav class="navbar navbar-default">
    <div class="container-fluid">
      <div class="navbar-header">
        <a class="navbar-brand" href="#">ngRoute</a>
      </div>
      <div>
        <ul class="nav navbar-nav">
          <li><a href="#">Home</a></li>
          <li><a href="#">Sobre</a></li>
          <li><a href="#">Contato</a></li>
        </ul>
      </div>
    </div>
  </nav>

  <ng-view></ng-view>

</body>
</html>

Até aqui temos apenas uma coisa nova, o ng-view que é o container onde o nosso conteúdo será renderizado, ele funciona como um include gerenciando nossas páginas de acordo com a URL atual. Em outras palavras ele carrega a view baseada na configuração do nosso router e injeta no lugar da diretiva. Você também deve ter percebido que adicionamos mais uma script a nossa aplicação, o angular-route.js. Nas primeiras versões do Angular, todos os componentes era acoplados no mesmo arquivo, o que fazia ele ficar muito grande para aplicações simples. A partir da versão 1.2 cada módulo é um script separado, o que nos permite injetar apenas o que realmente iremos utilizar em nossa aplicação.

Nossa aplicação Angular

var app = angular
  .module('myapp', [
    'ngRoute'
  ]);

// Definindo Rotas
app.config(function($routeProvider){
  $routeProvider
    .when("/", {
      template:"<h1>Home Page</h1>"
    })
    .otherwise({redirectTo: '/'});
});

Pronto, já conseguimos visualizar o titulo “Home Page” que acabamos de definir utilizando $routeProvider que nos permite configurar nosso serviço $route na etapa de configuração da aplicação. Com o $routeProvider podemos ir ainda mais longe, habilitando o History API do HTML5, injetar controllers especificos para cada página e muito mais.

Existem dois métodos que o $routeProvider nos fornece para configuração de rotas: when que recebe dois parametros sendo uma string com a URL especiica e um objeto de configuração para aquela rota; e otherwise que funciona similar a um else caso a condição não seja satisfeita informamos uma rota já definida para redirecionar o usuário (home/404/etc).

As opções de configuração mais comuns do método when são:

  • controller: Que pode receber uma string de um controller definido na aplicação ou pode ser uma função de definição de um controller;
  • template: Uma string definindo um template simples em nossa página como vimos no exemplo anterior;
  • templateUrl: Que é o path de uma view especifica em nossa aplicação que sera carregada através de uma solicitação AJAX.

Vamos continuar brincando, agora definindo também um controller para podermos colocar mais informações em nossas páginas e criar uma nova rota, apenas para testes:

/*...*/
.when("/users/:id", {
  controller: "UserController",
  template:"<h1>Hello </h1>"
})
/*...*/

app.controller('UserController', function($scope, $routeParams) {
  // Vamos imaginar que a URL acessada foi /users/rafaell
  $scope.name = $routeParams.id;
});

Neste exemplo pegamos via $routeParams o parâmetro :id via URL e mostramos ao usuário a mensagem “Hello rafaell” através do objeto $scope no UserController.

O legal do $routeParams é que podemos ter N parametros informados via URL como por exemplo /books/:author/:title, pegar ambas as informações e fazer algo com elas.

Para finalizar nosso exemplo, vamos nossas views:

<!-- home.html -->
<div class="jumbotron text-center">
  <h1>Home Page</h1>
  <p></p>
</div>

<!-- about.html -->
<div class="jumbotron text-center">
  <h1>About Page</h1>
  <p></p>
</div>

<!-- contact.html -->
<div class="jumbotron text-center">
  <h1>Contact Page</h1>
  <p></p>
</div>
/*...*/
.when('/', {
  templateUrl : 'pages/home.html',
  controller  : 'HomeController'
})
.when('/about', {
  templateUrl : 'pages/about.html',
  controller  : 'AboutController'
})
.when('/contact', {
  templateUrl : 'pages/contact.html',
  controller  : 'ContactController'
})
/*...*/

app.controller('HomeController', function($scope) {
  $scope.message = 'Routing pages with ngRoute is damn awesome!';
});

app.controller('AboutController', function($scope) {
  $scope.message = 'You can see more about ngRoute in the oficial website.';
});

app.controller('ContactController', function($scope) {
  $scope.message = 'No. :P';
});

Para finalizarmos, vamos setar as rotas em nossa navbar:

<ul class="nav navbar-nav navbar-right">
    <li><a href="#/">Home</a></li>
    <li><a href="#/about">Sobre</a></li>
    <li><a href="#/contact">Contato</a></li>
  </ul>
</div>

Sim, é estranho utilizar esse # também conhecido como hash ou hashbang, é quem determina qual página esta sendo chamada, isso quer dizer que /#about e /index.html#about são a mesma coisa, já que o index é o arquivo principal da nossa aplicação e gerencia as views através do nosso router.

Eu sei que pode parecer um tanto estranho utilizar desta forma, mas existe um modo para desabilitarmos o hashbang de nossa aplicação:

Habilitando o Modo HTML5

Sem dúvidas a primeira coisa e a mais simples para se fazer em nossa aplicação é configurar o $locationProvider. Isso vai permitir ativar html5Mode, o que também nos força a trocar nossos links da navbar para urls relativas e adicionar <base> tag a nossa <head>.

app.config(function($routeProvider, $locationProvider) {
  // Utilizando o HTML5 History API
  $locationProvider.html5Mode(true);

  /* ... */
});
<!-- Head -->
  <base href="/">
</head>

<!-- Navbar -->
<ul class="nav navbar-nav navbar-right">
    <li><a href="/">Home</a></li>
    <li><a href="/about">Sobre</a></li>
    <li><a href="/contact">Contato</a></li>
  </ul>
</div>

Isso força o browser a entender qual é a URL base da aplicação que o documento atual pertence, ou seja, o endereço relativo ao documento atual. Caso seu path não seja o root da aplicação, você deve informar o caminho até seu arquivo index, por exemplo /myapp para utiliza-lo como seu base path.

Não se preocupe, pois o $location service gera fallback para browsers que não suportam o History API utilizando hashbang novamente. Você pode verificar isso na documentação oficial.

Configurando Rewrite no Apache

Agora basta direcionarmos o acesso da nossa aplicação para o index de nossa página, para isso podemos apenas criar um arquivo .htaccess na raiz da nossa aplicação e pronto!

RewriteEngine On
  # If an existing asset or directory is requested go to it as it is
  RewriteCond %{DOCUMENT_ROOT}%{REQUEST_URI} -f [OR]
  RewriteCond %{DOCUMENT_ROOT}%{REQUEST_URI} -d
  RewriteRule ^ - [L]

  # If the requested resource doesn't exist, use index.html
  RewriteRule ^ /index.html

O mesmo pode ser feito na configuração de um Virtual Host no Apache ou no Nginx.

Mudando as coisas com UI-Router

Agora chegou a hora de falar de coisa legal, mesmo que o ngRoute faça muito bem o papel dele, as vezes vamos precisar de um plus de configuração, ou de algumas outras coisas imbutidas que esse módulo não pode nos fornecer. #chatiado

Quando falamos de SPA’s, roteamento sem dúvidas é uma das partes mais importantes da nossa aplicação. Mas esta na hora de colocarmos alguns esteroides usando o UI-Router.

Este foi um dos módulos desenvolvidos pelo time do AngularUI que nos permite fazer as mesmas coisas que o módulo anterior, porem de uma maneira diferente baseado no estado do aplicação e não apenas a rota atual.

WAT?!

Quando pensamos em **Estados da aplicação” vs. “Rotas de URL” temos uma visão e modos diferentes para utilizar nossas views, mudando não apenas o que esta dentro do container do router, mas também partes especificas da nossa aplicação sem adicionar nenhuma mudança a rota atual.

De maneira groceira podemos pensar que funciona semelhante ao ng-inlude, porem de forma muito mais simples e dinâmica.

Chega de papo, vamos mudar um pouco nossa aplicação utilizando agora o UI-Router.

<!-- index.html -->

<!DOCTYPE html>
<html lang="en" ng-app="myapp">
<head>
  <meta charset="UTF-8">
  <title>ngRoute</title>
  <link rel="stylesheet" href="https://maxcdn.bootstrapcdn.com/bootstrap/3.3.5/css/bootstrap.min.css">
  <script src="https://ajax.googleapis.com/ajax/libs/angularjs/1.4.5/angular.min.js"></script>
</head>
<body>
  <nav class="navbar navbar-default">
    <div class="container-fluid">
      <div class="navbar-header">
        <a class="navbar-brand" href="#">ngRoute</a>
      </div>
      <div>
        <ul class="nav navbar-nav">
          <li><a ui-sref="home">Home</a></li>
          <li><a ui-sref="about">Sobre</a></li>
          <li><a ui-sref="contact">Contato</a></li>
        </ul>
      </div>
    </div>
  </nav>

  <div ui-view></div>

</body>
</html>

Sim, este é todo o código que precisamos escrever para adaptarmos nosso código ao UI-Router.

  • Adicionamos o script do módulo ui-router no lugar do angular-router;
  • Quando queremos criar um link com o UI-Router, utilizamos ui-sref. Isso irá gerar o href para o estado que foi definido para aquela rota;
  • Também utilizamos <ui-view> ao invés de <ng-view>

Agora vamos modificar nossa aplicação:

//script.js

var app = angular
  .module('myapp', [
    'ui.router'
  ]);

app.config(function($stateProvider, $urlRouterProvider, $locationProvider) {

  $urlRouterProvider.otherwise('/');

  $stateProvider
    .state('home', {
      url: '/',
      templateUrl: 'home.html',
      controller: 'HomeController'
    })
    .state('about', {
      url: '/about',
      templateUrl: 'about.html',
      controller: 'AboutController'
    })
    .state('contact', {
      url: '/contact',
      templateUrl: 'contact.html',
      controller: 'ContactController'
    });

    // Utilizando o HTML5 History API
    $locationProvider.html5Mode(true);
});

/* ... */

Pronto! Vejamos as mudanças para adequar nosso código utilizando UI-Router:

  • Primeiramente injetamos o módulo ui.router como dependencia da nossa aplicação;
  • Depois utilizando $urlRouterProvider, definimos uma rota padrão para nossa aplicação caso nenhuma outra rota seja satisfeita;
  • Por fim, utilizando $stateProvider, declaramos alguns “estados” através do método .state que recebe dois parametros: O primeiro sendo o nome da nossa rota, e o segundo é um objeto de configuração onde podemos definir algumas coisas como url, template, templateUrl, controller e acreditem, muito mais.

Uma coisa legal de se fazer é trabalhar com o que chamamos de nested views, que básicamente é uma das features mais interessantes do UI-Router depois de named routes, o que nos permite gerenciar views em uma parte especifica de nossa página sem ser necessário qualquer mudança em nossa URL. Infelizmente não vou entrar muito afundo neste post, pois no caso jã esta muito tarde e eu preciso dormir logo.

Ah! Uma outra coisa legal, é que também podemos utilizar a diretiva ui-view que funciona semelhante ao ng-include, com a diferença que os partials a serem carregados precisam ser definidos na configuração do estado daquela rota.

Exemplo:

<!-- contact.html -->

<div class="jumbotron text-center">
  <h1>Contact Page</h1>
  <p></p>
</div>

<div class="row">

  <div class="col-sm-8">
      <div ui-view="form"></div>
  </div>

  <div class="col-sm-4">
      <div ui-view="maps"></div>
  </div>

</div>
/* ... */

.state('contact', {
  url: '/contact',
  controller: 'ContactController',
  views: {
    '': { templateUrl: 'contact.html' },
    '[email protected]': { template: '<form></form>' },
    '[email protected]': {
      templateUrl: 'contact-form.html',
      controller: 'ContactFormController'
    }
});

/* ... */

Nem preciso citar vantagens certo? Ok, vamos listar alguns pontos:

  • A view default onde as outras serão carregadas, recebe uma chave vazia no objeto views;
  • Todas as nest views precisam ter o prefixo [email protected] ([email protected] da rota) para funcionar corretamente;
  • Cada partial, pode receber um controller independente, o que facilita ainda mais a modularização da aplicação e testes;
  • Se for utilizar nested views, esqueça sobre templateUrl fora do contexto do objeto views;
  • Caso na hora de rodar no browser você receber um erro no console, não se preocupe, isso aconteceu comigo também, provavelmente foi algo fora do que esta definido acima, mas você pode dar uma olhada na documentação oficial.

Conclusão

Estes foram exemplos bem simples, mas acredito que possa ajudar você. Conceitos básicos de views e router utilizando o ngRoute e UI-Router por mais que sejam superficiais, servem como norte para aprender cada vez mais, basta correr atrás. Existem muitas outras coisas bem mais avançadas no mundo Angular.

Se alguem quiser sugerir algum tópico sobre Angular ou até mesmo tenha alguma dúvida em que eu possa ajudar, basta informar nos comentários que irei formular algo para poder te ajudar.

–UPDATE–

Os exemplos de código utilizados neste post estão disponíveis neste Plunker utilizando ngRoute e aqui utilizando UI-Router, porem eles não funcionam no modo HTML5 por conta do base path, porem você pode baixa-los sem problemas.

References

Join the Conversation